Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Sex | 22.01.16

Tudo vai depender da abstenção

unnamed.png

A avaliar pelas sondagens que hoje foram conhecidas, Marcelo Rebelo de Sousa é o preferido dos portugueses para o cargo de Presidente da República, destacando-se dos seus principais adversários, Sampaio da Nóvoa e Maria de Belém.

Contudo, Marcelo está a perder gás, a margem tem vindo estreitar-se, enquanto Nóvoa e Marisa ganham fôlego. Sampaio da Nóvoa regista mesmo a maior subida. O candidato tem insistido que acredita numa segunda volta e, segundo os números divulgados nas várias sondagens, é mesmo o mais bem colocado para desafiar Marcelo Rebelo de Sousa.

Maria de Belém tem sido porventura a maior desilusão destas eleições. Foi quem mais desceu durante a campanha, sendo que os resultados das sondagens ainda nem sequer têm em conta a polémica das subvenções vitalícias. Resta perceber se ficará ou não atrás de Marisa Matias. A candidata apoiada pelo BE, também tem feito uma boa campanha e subido nas intenções de voto.

Do que se conclui que a abstenção é que irá decidir se as eleições presidencias ficam decididas já no próximo domingo. Ou seja, se a abstenção for grande, Marcelo pode não chegar aos 50% dos votos, arriscando mesmo uma segunda volta.

Recorde-se que segundo dados do Expresso e analisando a tendência da abstenção nas eleições presidenciais conclui-se que na primeira eleição dos presidentes o recorde negativo foi alcançado em 2006, quando na 1ª eleição de Cavaco Silva, com 38,47% de abstenção. Em contraponto, o recorde absoluto de abstenção nas presidenciais foi atingido em 2011, justamente na reeleição de Cavaco, com 53,48%.

O facto de haver sondagens que nos últimos dias encurtaram a vantagem de Marcelo face aos adversários justifica alguma prudência A candidatura de Rebelo de Sousa está confiante numa vitória inequívoca no próximo domingo, mas à cautela tem uma equipa a trabalhar para a eventualidade de ter de ir a uma segunda volta.