Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qua | 29.10.14

Um passeio de tuk-tuk

narrativadiaria

Os tuk-tuk chegaram a Lisboa_02.jpg

Este verão inusitado convida a uns passeios ao ar livre. Por isso, nada melhor que uma viagem de tuk-tuk pelos bairros históricos de Lisboa.

Os tuk-tuk , muito comuns nas grandes cidades asiáticas como Banguecoque (Tailândia), chegaram a Lisboa em 2012. Devido à sua grande mobilidade transformaram-se num veículo privilegiado para trilhar os caminhos estreitos e sinuosos da cidade lisboeta e conhecer os principais miradouros e monumentos alfacinhas.

Durante hora e meia caminhei por alguns dos bairros típicos de Lisboa. Foi interessante regressar aos pontos mais emblemáticos desta bela cidade que cada vez acolhe mais turistas.

E este é, claramente, um serviço vocacionado para os turistas, mas por que não sermos turistas na nossa própria cidade, através de uma viagem diferente?

O percurso arrancou da Praça da Figueira seguindo para o largo da Sé de Lisboa, depois para o miradouro das Portas do Sol. De lá, o tuk tuk subiu a colina da Graça, para atingir dois dos mais singulares miradouros da cidade: o da Graça e o da Senhora do Monte. Aproveitamos para descer, durante uns minutos, tirar umas fotos e assim admirar uma vista desafogada sobre o rio Tejo.

Na Graça tivemos possibilidade de conhecer uma das vilas deste bairro típico - a Vila Berta – um tipo de arquitetura industrial, com habitações em banda, separadas por rua interior e varandas coloridas a darem um toque muito especial ao conjunto, outrora habitadas pelos operários que a poucos metros tinham a sua oficina. Hoje reabilitadas e bem conservadas.

O icónico bairro de Alfama e as suas vielas são outro ponto de visita obrigatório nos circuitos realizados pelos tuk tuk. Para lá entrar, o veículo tem de contornar os pilaretes instalados à entrada desta «zona de acesso automóvel condicionado». Em Alfama há várias tasquinhas onde é possível petiscar ao som do fado

O Castelo de S. Jorge, a Feira da Ladra, o Panteão Nacional foram também pontos altos do percurso.

O tuk-tuk regressou ainda ao centro da cidade, cruzando o Rossio e Martim Moniz, para se encaminhar depois até ao Bairro da Mouraria. O percurso seguiu para os Campos Mártires da Pátria, mas ainda houve tempo para uma paragem no jardim do Torel. Em baixo pudemos observar a ‘praia’ urbana inaugurada este verão, e onde durante o mês de Agosto, acolhe banhistas e que tem vista para a cidade.

O tuk-tuk acolhe seis pessoas, e permite fazer paragens, sempre que solicitadas pelos passageiros, garantindo a personalização do percurso. O passeio durou cerca de 90 minutos, é conduzido por um driver que vai prestando algumas informações sobre os percursos e sobre os monumentos.

O preço depende do circuito escolhido. Não é propriamente uma ‘pechincha’, mas como «um dia não são dias» valeu bem a pena. Sem dúvida, uma perspetiva diferente de ver e conhecer a capital.